A NephroCare utiliza cookies no site para melhorar a experiência do utilizador e fornecer o melhor serviço possível. Ao continuar a navegar no site, irá concordar com a sua utilização. Para mais detalhes, consulte a nossa política de privacidade.

Notícias

Diabetes: cuidados com a doença em tempos da Covid-19

De acordo com o Ministério da Saúde, o diabetes é uma doença causada pela produção insuficiente da insulina ou resistência celular à ação desta, que é o hormônio responsável por regular a glicose no sangue e garantir energia para o organismo.

Atualmente, essa condição afeta 13 milhões de brasileiros, o que representa mais de 6% da população nacional.

Além dos cuidados necessários para aqueles que convivem com a doença, a pandemia da Covid-19, decretada em março pela Organização Mundial da Saúde (OMS), passou a ser mais uma preocupação. Isso acontece porque os pacientes diabéticos são do grupo de risco, assim como os renais. Em um esforço para promover a conscientização sobre os perigos e cuidados relacionados ao novo coronavírus, o Dia Internacional do Diabético, celebrado no dia 27 de junho, ganha, esse ano, uma relevância ainda maior.

Diabetes mellitus      
O diabetes mellitus, nome científico, pode se manifestar em três diferentes tipos principais. O primeiro, classificado como Tipo 1, ou insulinodependente, ocorre principalmente nas crianças e adolescentes, com cerca de um a sessenta novos casos por 100.000 crianças/adolescentes por ano, e é causado por falta ou pouca produção de insulina pelo pâncreas. O Tipo 2 é mais comum em adultos acima de 40 anos e está ligado a resistência das células do organismo em aproveitar a insulina. O último, Tipo 3, é o gestacional e ocorre apenas durante os últimos meses da gravidez.

Diagnóstico
O diagnóstico é feito, principalmente, a partir do aparecimento progressivo dos sintomas mais comuns, como aumento do volume urinário, sede acompanhada da ingestão de muito líquido, perda de peso, crescimento no número de micções e visão turva. Pode, também, ser confirmado através da dosagem da taxa de glicemia em jejum, da realização de testes de tolerância à glicose, curvas glicêmicas e determinação dos níveis da hemoglobina glicosilada.

“O diabetes mellitus é uma das principais causas da doença renal crônica com indicação de diálise ou transplante renal, a chamada nefropatia diabética. Nas clínicas NephroCare no Brasil, é a segunda principal causa, responsável pela perda da função renal em 26% dos pacientes em diálise crônica. O diabético também é mais propenso à desidratação, infecções, sepses e ao desenvolvimento de cetoacidose, que o deixa predisposto à insuficiência renal aguda”, afirma o Dr. Marcos Sandro Vasconcelos, Gerente Médico da Fresenius.

Cuidados e orientações       
No caso do paciente renal crônico diabético, o controle da glicemia, por exemplo, é imprescindível e deve ser realizado corretamente. Evitar o tabagismo, aderir a uma dieta corretamente orientada e praticar atividades físicas regulares são orientações a serem seguidas que podem ajudar a minorar e postergar as complicações metabólicas e cardiovasculares dos portadores dessa condição.

“A obesidade é um dos principais fatores de risco para o surgimento do diabetes. Uma alimentação balanceada ajuda a manter o peso corporal adequado e a obter diversos nutrientes fundamentais na prevenção e controle da doença. Manter uma dieta rica em fibras e em substâncias antioxidantes contribui não somente para o controle dos níveis de glicose no sangue, mas também para reduzir o processo inflamatório característico dessa doença. Alimentos de origem vegetal são indicados, como as hortaliças (verduras e legumes), frutas (em especial a maçã e o abacate), leguminosas (feijões, grão de bico e lentilha), oleaginosas (castanhas, amêndoas, nozes, sementes de linhaça e girassol) e cereais integrais (quinoa, amaranto e farelo de aveia)”, destaca a Coordenadora Nacional de Nutrição da Fresenius, Raquel Carreiro da Silva.