A NephroCare utiliza cookies no site para melhorar a experiência do utilizador e fornecer o melhor serviço possível. Ao continuar a navegar no site, irá concordar com a sua utilização. Para mais detalhes, consulte a nossa política de privacidade.

Diálise Peritoneal

Modo de funcionamento da diálise peritoneal

Na diálise peritoneal, uma parte do peritônio é utilizada como dialisador. A água e os solutos têm capacidade para passar do lado do sangue para o lado do dialisado através da membrana peritoneal, uma camada de pele extremamente fina que cobre os intestinos e o fígado. Cerca de dois litros do fluido de diálise são lentamente infundidos para o interior da cavidade abdominal através de um tubo de silicone flexível, chamado de cateter de Tenckhoff.

O cateter permanece no lugar durante todo o período em que o paciente é submetido à diálise peritoneal. Quando existe dialisado na cavidade peritoneal, a eliminação das toxinas e da água em excesso ocorre até as concentrações de solutos atingirem um equilíbrio no lado do sangue e no lado do dialisado. Esse movimento de água e de toxinas ocorre durante o tempo de espera. Decorrido um tempo de espera determinado, o dialisado infundido é drenado de novo para fora através do cateter. A diálise peritoneal continua enquanto o fluido drenado é substituído por fluido novo. A esse processo de substituição de fluido usado pelo fluido novo dá-se o nome de troca. Uma troca é repetida várias vezes por dia, habitualmente de 4 a 5 vezes.

Acesso peritoneal

Caso escolha a DP, é necessário que um cateter seja implantado no seu abdômen. O cateter transporta o fluido de DP para dentro e para fora do abdômen. O cateter é um tubo de silicone flexível e comprido, com cerca de 30 cm e a largura de um lápis. Parte do cateter fica no interior do abdômen; e a outra parte, no exterior do corpo.

Você não tem de se preocupar com a possibilidade de o cateter implantado cair. A verdade é que, apesar de não conseguir ver (porque está sob a pele), o cateter dispõe de cuffs (punhos) que o mantêm no lugar. Decorrido algum tempo, começa a crescer tecido corporal à volta desses cuffs, o que proporciona ao cateter a estabilidade necessária. Não obstante, é importante que o cateter fique fixado à pele para impedir puxões. Cerca de duas semanas após a inserção do cateter, pode-se começar a encher gradualmente o abdômen com fluido de DP.

A higiene na diálise peritoneal

A pele é uma barreira natural para os microrganismos. Se apresentar pequenas fissuras, podem entrar organismos nocivos ao nosso organismo e à circulação sanguínea, com a possibilidade de ocorrência de uma infecção. Por esse motivo, uma boa fixação do cateter é extremamente importante. Caso contrário, o movimento do cateter causará lesões na pele, no ponto de saída, o que pode resultar numa infecção.

Na DP, é fundamental seguir rigorosas técnicas de higiene de modo a impedir a entrada de microrganismos na cavidade peritoneal através do cateter, da extensão do cateter ou durante a ligação da bolsa. A aplicação das regras de higiene na sua rotina diária é a melhor forma de evitar contrair uma infeção do peritônio, a chamada peritonite.

Modalidades da DP

- Manualmente: DPAC – Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua;

- Automaticamente: DPA – Diálise Peritoneal Automatizada.

São as patologias, o estilo de vida e as preferências pessoais que determinam a escolha entre as duas opções. Fale com seu médico e seu enfermeiro de DP sobre qual será a melhor modalidade de tratamento.

DPAC (Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua) – troca manual

Na DPAC, a maioria das trocas ocorre durante o dia. Habitualmente, realizam-se de quatro a cinco trocas por dia. O médico vai prescrever o número de trocas que serão necessárias por dia para proporcionar um tratamento de diálise adequado. Cada troca demora entre 20 e 30 minutos. Os tempos de troca podem variar ligeiramente para se ajustarem ao seu horário, sobretudo se trabalha ou estuda. Sua equipe de profissionais de saúde vai ajudá-lo a configurar os horários das trocas que mais se adequam ao seu caso.

DPA (Diálise Peritoneal Automatizada) – troca automática

Na DPA, a maioria das trocas ocorre à noite, com a ajuda de uma máquina cicladora. O paciente fica ligado à cicladora durante um período de 8 a 10 horas. O fluido de DP é administrado através de um conjunto de bolsas e tubos especiais, da cicladora ao paciente. A cicladora drena e enche de novo a cavidade peritoneal automaticamente enquanto o paciente dorme. De manhã, ele se desliga da cicladora e fica livre para realizar as suas atividades diárias. Dependendo do estilo de vida e da patologia, existem prescrições diferentes na DPA.

Apoio e assistência

Será solicitado que você vá a uma consulta no seu centro de diálise todos os meses. Nessa consulta, será colhida uma amostra de sangue para determinar se ocorreram eventuais alterações desde a última consulta e se é necessário ajustar o seu tratamento. Seu médico vai conferir com você os resultados das análises laboratoriais, sua ficha de medicamentos e sua dieta. Seus registros domiciliares serão igualmente checados para verificação dos sinais vitais, incluindo pressão arterial, pulsação, temperatura e peso. Serão examinados o cateter peritoneal e o ponto de saída.

As bolsas da diálise peritoneal

Sua prescrição de diálise será feita de acordo com suas necessidades. O médico faz a prescrição das suas bolsas e linhas com as quantidades necessárias para o tratamento e estas são entregues mensalmente na sua residência. Não se esqueça: qualquer alteração da sua prescrição só poderá ser realizada por seu médico!

Utiliza-se um estoque de segurança se uma entrega for adiada devido a não haver ninguém em casa ou no caso de alteração da prescrição. O representante da assistência ao cliente vai contatá-lo para determinar o inventário e ajudá-lo a gerenciar os estoques de casa.