A NephroCare utiliza cookies no site para melhorar a experiência do utilizador e fornecer o melhor serviço possível. Ao continuar a navegar no site, irá concordar com a sua utilização. Para mais detalhes, consulte a nossa política de privacidade.

Estágio avançado

Nos estágios avançados da DRC (3b, 4 e 5), o funcionamento dos rins sofre uma redução mais forte. Devido à perda de capacidade dos rins para desempenhar adequadamente todas as suas importantes funções, a água, o sal e os resíduos do metabolismo orgânico acumulam-se progressivamente no sangue. É a chamada uremia.

Mesmo nos estágios avançados da DRC também é muito importante que seja feito todo o possível para retardar a progressão da doença até a insuficiência renal completa. Se a função dos rins diminuir para menos de cerca de 10% a 15% da função renal normal, será preciso optar por diálise ou por um transplante renal. A TFG exata é indicadora de quando será necessário iniciar a diálise, o que depende de muitos fatores: doença renal subjacente, má nutrição, sintomas urêmicos, equilíbrio hemodinâmico etc. Nestas fases é muito importante o conhecimento das opções terapêuticas futuras, quando a doença renal comprometer severamente as funções dos rins, para que se comece um preparo para estas terapias. Avaliar a possibilidade de transplante renal preemptivo, ou seja, realizado antes de qualquer modalidade de diálise, ou qual a melhor modalidade de diálise para o paciente ou qual este prefere. Importante, caso a escolha seja hemodiálise, para que seja providenciado a confecção de um acesso vascular adequado, evitando o uso de cateteres venosos profundos de urgência, que podem causar vários problemas. Siga os conselhos do seu médico.  

Estágio 3b da DRC

Uma pessoa no estágio 3b da DRC apresenta uma lesão renal moderada e a TFG está entre 30 e 44 ml/min.

 Os sintomas mais frequentes que podem surgir nessa fase da DRC são relacionados à anemia, queda da qualidade nutricional, dor óssea, formigamento ou entorpecimento dos nervos, dificuldades de concentração e sensação de bem-estar diminuída.

Estágio 4 da DRC

No estágio 4 da DRC, o rim apresenta lesão mais severa, com uma TFG entre 15 e 29 ml/min. Além dos sintomas já mencionados, alguns dos mais frequentes no estágio 4 da DRC são doença óssea, pernas inquietas, comichão na pele e piora da anemia. Anemia significa falta de glóbulos vermelhos no sangue e, juntamente com os resíduos que se acumulam no organismo, pode causar fadiga, pele pálida, dificuldade de concentração e perda de apetite. O excesso de água e sal leva à falta de ar e ao inchaço (edemas), sobretudo nas pernas e ao redor dos olhos.

Estágio 5 da DRC

Um indivíduo com estágio 5 da DRC apresenta uma lesão renal muito severa, que resulta numa TFG abaixo de 15 ml/min. Os rins perderam praticamente toda a capacidade de funcionamento. Eventualmente, a doença renal já reduziu as funções dos rins para um nível no qual se torna necessária uma terapia de substituição da função renal.

 

O que devo saber?

No estágio 5 da DRC, o médico ainda tenta fazer de tudo para adiar a necessidade de terapia renal substitutiva. Uma boa alimentação e um tratamento adequado nunca foram tão importantes para manter o paciente compensado clinicamente o maior tempo possível, mas a conclusão da preparação do paciente para fazer diálise ou transplante é uma providência importante nesta fase.

Nesta fase, médico e paciente já devem ter escolhido a terapia de substituição renal mais indicada. Assim, conheça as diferentes opções disponíveis o mais cedo possível, para que você tenha tempo suficiente para ponderar as alternativas, escolher a terapia mais adequada e fazer uma preparação com calma, evitando uma entrada em hemodiálise em situação de urgência ou utilizando cateteres profundos, como acessos vasculares, situações associadas a uma maior probabilidade de complicações e problemas clínicos ou perdendo a chance da realização de um transplante renal preemptivo.

Existem diferentes opções de tratamento para substituir a função renal perdida: 

Transplante renal (preemptivo, com doador vivo ou inscrição numa lista de espera para transplante com doador falecido)
Hemodiálise ou hemodiafiltração 
Diálise peritoneal

O que posso fazer?

Para adiar a terapia de substituição da função renal o máximo possível, mas permitindo todas as possibilidades simultaneamente, pode-se proceder do seguinte modo:

- Consulte um nefrologista regularmente;

- Converse com o seu médico se perceber alterações no seu estado de saúde (por exemplo, sintomas do tipo constipação, gripe ou sintomas incomuns);

- Conheça melhor as diferentes terapias de substituição renal, decida qual é a mais adequada para você com o seu médico e inicie a tempo as preparações necessárias;

- Tome todos os medicamentos receitados pelo médico, pois eles são muito importantes para sua saúde e seu bem-estar, sobretudo no caso do diabetes e/ou pressão arterial alta. O importante é controlar e respeitar os tratamentos prescritos;

- Ajuste a sua alimentação (consulte um nutricionista para obter as recomendações);

- Pare de fumar;

- Reduza a ingestão de álcool;

- Mantenha-se em boa forma com exercícios físicos regulares;

- Conheça as alterações do estilo de vida que você terá de enfrentar e faça perguntas; e

- Seja um participante ativo nos seus cuidados renais.