A NephroCare utiliza cookies no site para melhorar a experiência do utilizador e fornecer o melhor serviço possível. Ao continuar a navegar no site, irá concordar com a sua utilização. Para mais detalhes, consulte a nossa política de privacidade.

Nutrição para pacientes com doença renal crônica (DRC)

Ter uma alimentação equilibrada é de enorme importância e pode até ajudar a adiar o progresso da doença.

Nas fases iniciais da IRC, uma alimentação saudável inclui diversos cereais, sobretudo cereais integrais, frutas e legumes frescos. Lembre-se: seu organismo precisa de energia suficiente para funcionar corretamente.

A principal parte do seu fornecimento de energia deve originar-se dos carboidratos e das gorduras, mas certifique-se de reduzir a proporção de gordura saturada e colesterol, escolhendo as gorduras mono e poli-insaturadas, que são as gorduras boas encontradas em alimentos como azeite de oliva e peixes.

Uma mudança fundamental para a sua alimentação pode ser a limitação da ingestão de proteínas, que vai lhe ajudar a preservar a função renal e a reduzir a quantidade de substâncias indesejáveis no sangue. Os alimentos ricos em proteínas são: carne, peixe, frango, ovos e produtos lácteos.

Enquanto estiver urinando normalmente, você não vai precisar limitar a ingestão de líquidos. No entanto, a ingestão de sódio deve ser restrita. O sal liga-se à água e, desse modo, seu organismo também precisa de mais líquidos. O sódio está presente principalmente no sal de cozinha, nos alimentos processados – como salsichas, enlatados, pizza congelada – e no pão, no queijo e no presunto. Tente substituir o sal de cozinha por ervas e especiarias e, sempre que possível, cozinhe com produtos frescos.

Com a progressão da IRC, você pode precisar adaptar ainda mais sua alimentação: as fases posteriores exigem uma redução mais rigorosa da sua ingestão de proteínas, passando de uma alimentação com baixo teor de proteínas para uma alimentação com quase zero teor em proteínas. Eventualmente, a suplementação com aminoácidos/cetoácidos poderá ser útil para você, considerando que a ingestão de proteínas não é suficientemente alta para suprir as necessidades de seu organismo. Seu nefrologista ou nutricionista vai informar a você sobre suas necessidades e receitar o suplemento certo.

Assim que observar uma diminuição no seu volume urinário ou um inchaço nos tornozelos e nos pés, está na hora de reduzir também a ingestão de líquidos. Seu nefrologista ou nutricionista vai apoiá-lo no cálculo da quantidade certa da ingestão diária de líquidos. Não se esqueça: a comida salgada provoca sede!

Uma vez que o potássio pode se acumular mais rapidamente em seu organismo, a ingestão deve ser reduzida para evitar arritmias cardíacas.

Os alimentos ricos em potássio são:

- Frutas e suco de frutas (banana, frutas secas, uvas, abacate);

- Legumes e verduras (espinafres, batatas, brócolis, tomate e outros legumes folhosos verdes escuros);  

- Nozes e amêndoas; 

- Produtos com cereais integrais; 

- Leite e produtos lácteos; e

- Substitutos do sal.

Abaixo apresentamos algumas dicas simples para ajudar você a reduzir a ingestão de potássio:

- Para reduzir a quantidade de potássio das batatas e de outros legumes, realize o preparo descascando-os, cortando-os e mergulhando-os num recipiente grande com água durante várias horas, e substituindo a água antes de cozinhar;

- Cozinhar frutas e legumes em grandes quantidades de água; e

- Evitar o consumo da calda de compota de frutas e sucos da fruta, pois estes alimentos possuem maior concentração de potássio.

Se seus níveis de fósforo no sangue estiverem elevados, você deve reduzir a ingestão de alimentos ricos em fósforo.

Alimentos ricos em fósforo são:

-Alimentos processados;

- Produtos lácteos;

- Carne;

- Peixe;

- Produtos com cereais integrais;

- Feijões e lentilhas;

- Nozes e amêndoas;

- Chocolate amargo e cacau;

- Refrigerante e cerveja.

A suplementação de determinadas vitaminas ou minerais pode ser útil. Consulte seu médico ou nutricionista para que lhe recomende um produto adequado. Alguns complexos vitamínicos disponíveis no mercado podem ser prejudiciais para uma pessoa com doença renal crônica.

Tenha em mente que é importante que o seu estado nutricional seja regularmente avaliado, sobretudo nas fases mais avançadas da doença renal crônica, quando aumenta o risco de desnutrição proteico-calórica e sobrecarga de líquidos. Consulte seu médico nefrologista ou nutricionista se tiver alguma dúvida e respeite os conselhos recebidos.